terça-feira, 6 de maio de 2014

[Resenha - Planeta] O Vendedor de Armas

Postado por Ju às 11:00
Título: O Vendedor de Armas
Autor: Hugh Laurie
Tradução: Cassius Medauar
Editora: Planeta

Aproveitando a presença de Hugh Laurie no Brasil para uma série de shows em março, a Editora Planeta relança O vendedor de armas com capa nova. Hugh Laurie, formidável intérprete do Dr. House, soube se afirmar na TV e continua seu excelente trabalho com esta história de tirar o fôlego. Quando Thomas Lang, ex-militar de elite, recebe uma proposta de 100 mil dólares para assassinar um empresário norte-americano, ele decide alertar a futura vítima – uma boa ação que não ficará impune. Em questão de horas, Lang terá de se defender com uma estátua de Buda, jogar cartas com bilionários impiedosos e colocar sua vida nas mãos de mulheres fatais, enquanto tenta salvar uma linda moça e impedir um banho de sangue mundial. Encontramos nesta história muito do que se vê em um episódio de House, o mau espirito salvador e a réplica assassina de Hugh Laurie, a serviço de uma intriga apaixonante e de um personagem memorável. Um ator que saiba escrever bem é algo raro, mas Hugh Laurie, misturando humor com uma eficácia hollywoodiana, faz uma entrada talentosa no mundo da literatura.

Como fã de House, e principalmente de Hugh Laurie, eu simplesmente precisava conhecer essa história. Adoro ler livros escritos por pessoas que admiro, embora nem sempre tenha boas experiências. No caso de O Vendedor de Armas, tenho que concordar com o que está na sinopse: Hugh é tão talentoso como ator quanto como escritor (e o cara ainda é músico, realmente não sei como ele consegue!).

No início, me diverti bastante com a leitura. Claro que a diversão que você terá será diretamente proporcional ao seu amor pela ironia. Thomas Lang é super inteligente e mega irônico, e as tiradas dele são impagáveis. Embora elas estejam presentes durante toda a narrativa, as doses diminuem no decorrer do livro. Chega um momento em que tudo se torna mais complexo, e aí é preciso se concentrar completamente para conseguir acompanhar a história.

Sério, se eu me distraía por um segundo e não dava atenção a uma linha, era exatamente naquela linha que estava a informação mais importante para que os acontecimentos seguintes fizessem sentido. Teve uma vez que tive que reler algumas páginas, e descobri que a explicação que eu buscava tinha estado lá o tempo todo. A partir daí comecei a ler mais lentamente e prestando muito mais atenção a todos os detalhes.

A menos que a gente se ajoelhe e agradeça a cada vez que um desastre não nos acerta, também não faz sentido reclamar quando ele acerta.

Hugh construiu a história de uma forma que não ficou nenhuma ponta solta. Não sei porque cheguei a cogitar a possibilidade de o final não ser tudo o que eu esperava. O autor pensou em tudo e fiquei bem satisfeita. Fui surpreendida de forma super positiva.

O Vendedor de Armas me fez refletir bastante. São levantadas várias questões significativas, e uma delas me deixou completamente estarrecida: existem armas porque existem guerras, ou existem guerras porque existem armas? Doeu muito em mim pensar nisso, não foi a primeira vez que me deparei com esse questionamento, mas foi a primeira vez que parei realmente para refletir sobre ele. Prefiro ignorar que possam existir seres humanos que dão muito mais valor ao seu poder e a sua riqueza do que às vidas de seus semelhantes.

Você é um bom homem?

A única ressalva que tenho a fazer é que o livro tem alguns probleminhas de revisão... nada muito grande, mas foi a primeira vez que me deparei com isso em um livro da editora, aí acabou chamando minha atenção. Fora isso, amei a leitura ainda mais do que imaginei que amaria! Mesmo tendo levado um tapa na cara com a última frase do livro, ainda estou apaixonada pela narrativa.

Sempre pensei que Não matarás estava no topo da lista, e era "O Mandamento". (...) O que todos se esquecem é o de não dar falso testemunho do próximo. Parece tolo se comparado a "Não matarás". Parece menor. Uma ofensa de trânsito. Mas quando está diante de você e suas entranhas reagem segundos mais rápido do que seu cérebro consegue digerir o que escutou, você percebe que a vida, a moralidade, os valores - eles simplesmente não funcionam do jeito que você imaginava.

13 comentários:

  1. Olá!!

    Eu tenho esse livro naquela edição da capa laranja, uma pena que eu o tenha deixado paradão na estante, mas talvez agora eu me anime um pouco pela leitura. rs

    Beijos,

    Samantha Monteiro
    http://www.wordinmybag.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Ju! Sou suspeita pra falar do Hugh, sou muito fã dele tb, fui até no show dele em SP e olha! O cara manda muito bem como músico! Ainda não li o livro dele, tenho que ir atras, mas acho que vou gostar tb, lendo sua resenha, percebi que é um livro que faz a gente pensar, que dá uma sacudida na nossa vida, adoro livros assim, que me abrem os olhos para aquilo que eu costumo ignorar intencionalmente ou não.

    Beijinhos

    www.chatadoslivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Ju!
    Noooooossa! Esse livro deve ser tudo isso mesmo por quê essa citação no final foi maravilhosa!
    Nunca assisti HOUSE, mas morro de vontade. E agora você me fez ficar com vontade de ler O Vendedor de armas... Parabéns pela ótima resenha!
    Beijão e já estou de volta lá o PAD!

    http://luahmelo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. House é ótimo mesmo, também sou fã. E já ouvi falar muito bem desse livro. Aliás, de todas as resenhas que li, nunca vi nenhuma ruim! E agora fiquei curiosa pela última frase do livro :)

    ResponderExcluir
  5. Oi Ju!

    Também sou fã do autor e estou de olho nesse livro faz algum tempo. Depois dessa sua resenha tenho que ler. Esse último quote que citou é fantástico. E a parte que mencionou sobre valorizar mais as riquezas e acima de tudo o poder sempre temos que ter em mente que está presente e pior nas mãos daqueles que, geralmente, nos governam em qualquer país.

    Beijos

    http://poesiasprosasealgomais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá Jú!
    Com certeza devem existir, mas é difícil encontrar quem não goste do trabalho do Hugh! Foi uma surpresa para mim saber que ele também escreve, quando vi a capa pensei tratar-se de um livro que inspirou um filme ou vice versa. Agora estou super curioso para conhecer seu talento literário!
    Essa questão levantada no livro é realmente intrigante, sobre as guerras e as armas, mas infelizmente para outra pergunta creio que a resposta seja sim e existem seres que põem sua riqueza e seus lixos a frente da vida de seres humanos!

    Grande Abraço
    Claudinei Barbosa
    http://resenhandoecontando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oii... Esta capa ficou incrível! A história me chamou atenção pelo fato de envolver um pouco de ação. Não é um livro que faz muito o meu tipo, mas eu gostei bastante da resenha. Inclusive: ÓTIMOS quotes escolhidos :)
    Abraço,
    www.likelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Olá

    Também gosto bastante de House e fiquei curioso com esse livro, tem uma premissa bastante curiosa, nem sabia que ele escritor sequer músico haha. Parece ser interessante e eu também adoro ler coisas de artistas que eu admiro.

    Abraço!
    www.umomt.com

    ResponderExcluir
  9. Oi Ju.
    Eu não sabia que Hugh era escritor, mas gostei de saber que esse livro traz questões importantes e que nos leva a pensar, e fiquei bem curiosa sobre a última frase do livro.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  10. Oi Ju, tudo bem?
    Quando abri a página da sua resenha e me deparei com a imagem de um livro do Hugh, corri pra tirar uma foto e mandar pelo whats pro meu namorado; Ele é super fã de House e com certeza vai querer esse livro =p
    Infelizmente não sou muito fã da série, mas acho o ator fantástico. Não sabia que ele também era autor E musico. Caraca, é um pacote completo!
    O tema do livro parece ser meio chocante, meio tabu, meio 'não sei definir'. E depois que você falou que é preciso ler com MUUUITA atenção tive mais certeza ainda de não se tratar de uma simples leitura. Adorei saber que o livro nos faz refletir e pensar sobre nossas atitudes com os outros. Gosto de livros que transmitem esse sentimento. E acho que, assim como você, também iria fazer certos questionamentos após a conclusão da obra. Alias, acho que ela deve ser mais 'pesada' em seus acontecimentos e afins. Céus, acho que meu comentário ficou gigante, e acho que quando meu namorado comprar o livro, terei que pegar emprestado =p

    Beijos, boa semana!
    Blog Procurei em Sonhos

    ResponderExcluir
  11. OI Ju, tudo bem?
    Olha a coincidência: essa série estava passando ontem mesmo, só não pude ver o episódio inteiro. Também gosto muito da série e do ator, não sabia que ele tinha escrito um livro.
    Você colocou um trecho sobre o mandamento "não matarás", você sabia que já fizeram uma pesquisa e descobriram que o que o homem tem mais medo de perder, entre a vida e a liberdade, é a liberdade? Por isso a maior pena prevista no nosso código penal é a restrição da liberdade. Isso, infelizmente prova que o homem não dá muito valor a sua vida, logo também não dá valor a vida do seu próximo, principalmente nos dias de hoje. Esse assunto é difícil. E minha resposta a questão levantada: as armas são apenas instrumentos de guerra, infelizmente, ela existe antes no coração e na mente do homem. Ao mundo, falta amor!!!!!!
    Adorei sua resenha!!!!!
    Beijinhos.
    cila-leitora voraz
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Olá Ju,

    Hugh Laurie deve ser muito completo mesmo, risos. Não conhecia o livro que pela sua resenha me passa a sensação de ser de impacto e os nervos a flor da pele o tempo todo, isto pela a ação que deve ser uma coisa de louco.

    Ah! Jú com a questão "Existem armas porque existem guerras ou existem guerras por que existem armas?" também já pensei muito, mas o que move os fabricantes de armas é o dinheiro, eles não estão nem aí com a vida ou com a morte, tudo isto para eles é um negócio e que os deixam cada vez mais ricos, fato que muito me entristece. No filme Senhor das armas, o personagem diz algo do gênero: "eu não criei as guerras, eles sempre estiveram aí, eu simplesmente me aproveito delas para me dar bem. Dou a eles o que eles querem (armas) para dominar e ganho por isso". Acho lamentável.

    Bjs
    Tânia Bueno
    https://facesdaleiturataniabueno.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Oi Ju, tudo bem flor???
    Eu adoro essa série assisti todas as temporada... diferente do filme do ratinhos lá... Hugh me surpreendeu nessa série com suas tiradas de ironias e sarcasmos... Não sabia que ele tinha escrito um livro e fiquei curiosa pela leitura... a premissa que vc descreveu é interessante parece ser uma boa pedida...

    Ju não tive muito tempo, mas foi um prazer te conhecer pessoalmente, você mora mesmo em sampa ou em alguma cidade próxima, me surgiu essa curiosidade... Espero te reencontrar com mais tempo... Xero!!!!!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e pelo seu comentário. =)

Os comentários são moderados, mas sua opinião logo será publicada!

Sejam sempre muito bem-vindos!

 

Entre Palcos e Livros Copyright © 2014 Design by Rebecca Barboza RêVivendo